Rua Sorocaba 800, CEP 22271-100, Botafogo, Rio de Janeiro, Brasil.

domingo, 15 de outubro de 2017

Mestre Onça e o teste Telhard de Chardin

     Numa daquelas maravilhosas quartas-feiras, no Grupo de Estudos C. G. Jung, Dra. Nise da Silveira nos fez um relato muito interessante sobre o gato Mestre Onça e Teilhard de Chardin.  
     Contou-nos:
     - um gato que uma empregada havia encontrado e levado para a Casa das Palmeiras, mas ao casar se ausentou. Resolvi leva-lo para minha casa já com o nome de “oncinha”, por ser rajado, malhado como uma onça. Estava entre nós para nos ensinar. Lembro-me agora de um fato de um padre francês, católico, e ao que chamo ‘teste Teilhard de Chardin’. Uma amiga de Chardin procurou-o para uma conversa e mencionou sobre um conhecido em comum; ela estava preocupada com o amigo, desconfiava de que ele tivesse desvios de caráter. Decidira consultar o padre para saber o que ela achava a respeito e se ele poderia ajudá-la. Ele respondeu: ‘É muito fácil. Para tirar a dúvida, na próxima visita desse amigo em sua casa, ponha um de seus gatos no colo dele. Se o gato permanecer no colo, pode confiar. Se afastar-se, você deve se afastar desse amigo’. E Oncinha nos ensinou isso na prática, de diversas maneiras.
     - por ocasião de uma reunião do condomínio do prédio, que se passou aqui em casa (no quinto andar, onde estávamos ouvindo-a), veio o representante da Administradora. Oncinha estava presente à reunião. De repente, ouviu-se um grito. Logo, o representante apresentou a perna com a meia empapada de sangue. Foi preciso que minha acompanhante fosse pagar remédios para o curativo. Aquilo era atípico, os gatos que tive (cheguei a ter 23) nunca fizeram isto. Naquela situação Oncinha deu seu veredito: o administrador na valia a roupa que vestia.
     - tive um problema complicado nos gânglios, bem na base do meu queixo e que me dificultava respiração correta. Remédios e mesmo Yoga não resolviam, não melhorava. Acontece que um dia estando no quarto e observando Oncinha percebi como ela respirava, profundamente até a barriga, e estando deitada. Inspirava e respirava com a barriga e eu só na altura do peito. Percebi que precisava respirar como o gato. Então, deitei-me igual ao gato, na horizontal e de lado. Passei a respirar corretamente. Contei este ocorrido para minha professora de Yoga e ela me disse: “certo! Imite o gato!”.
     - como Oncinha me havia dado tantas lições resolvi rebatizá-la, passou a se chamar Mestre Onça. Sempre foi um grande amigo. Cuidei dele nos seus últimos dias, sempre ao seu lado, com doença óssea que eu mesma diagnostiquei.
     - meu livro O Mundo das Imagens eu dedico em memória ao gato Mestre Onça com reverência.

 Nota – amigos/as que acompanhavam a sábia Nise escreviam o que ela ia relatando, ao pé de página.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

O Afeto Catalisador


           O Afeto Catalisador
             - dissociação / ordenação -
    Dra. Nise da Silveira, a grande precursora da metodologia aplicada no que ela denominou de  Afeto Catalizador pode ser encontrado, particularmente, em suas obras; Imagens do Inconsciente, Ed. Vozes, 2015 e O Mundo das Imagens, Ed. Ática, 2001 (esgotado).
    Na Casa das Palmeiras este método em relação às atividades expressivas, se faz pela presença com postura afetiva e acolhedora da parte dos estagiários/as e/ou colaboradores, fundamental para que se tenham respostas concretas diante da mobilização criadora, existente em cada ser humano. Os usuários, clientes da casa, nos ateliês, se permitem expressar com espontaneidade e com prazer potencialidades que emergem do inconsciente. Seguramente quando encontram receptividade afetuosa sem exigências. 

 
 




    A produção criadora sempre falará mais alto que palavras. Os olhares, postura compenetrada e sorriso no processo criador são respostas de beleza e encantamento. Penetração no mundo interno.   



     A Casa das Palmeiras não é espaço de entretenimento, e sim, um oásis de afeto, produções expressivas com liberdade criadora;  matéria de estudo e pesquisa científica. 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Festa da Primavera nas Palmeiras


Amanhã 22 de setembro Festa da Primavera na Casa das Palmeiras
Todos os Familiares, Amigos e Amigas de sempre estão convidados
Das 13h30 às 17h _ basta trazer um pratinho de salgado ou suco para colaborar.

Produções - desenhos e pintura - realizadas nos ateliês
 -- Flores artesanais 








 

 Viva! Alegria às mãos que engendram criatividade!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Seja Padrinho/Madrinha da Casa das Palmeiras

Seja Padrinho/Madrinha da Casa das Palmeiras

        A Casa das Palmeiras resiste desde sua fundação - 1956. Centro de convivência afetiva, atividades expressivas e pesquisa. Sobrevive de doações dos clientes/usuários, poucos sócios, fiéis amigas/os e admiradores de Nise da Silveira/ sua fundadora. Diretoria, colaboradores e estagiários/as são voluntários. Dois funcionários remunerados, mais o contador. A Instituição precisa manter se produtiva.
        Seja um doador - qualquer quantia é bem vinda - nossa conta:

CASA DAS PALMEIRAS - (CNPJ 33.808.486/0001-48)
Banco Itaú –
Agência: 9161 - Conta 09906-5.  
           
Informações: Tel. (21) 2266-6465 (das13h30 às 17h – 2ª a 6ª feira)
- Agradecemos com Emoção de Lidar
Rua Sorocaba, 800 – Botafogo, Rio de Janeiro/ RJ. 
[Balanço de contas mensal na secretaria] 
Visite nossa página para ver seu funcionamento – a riqueza criativa.
                                                                        
        
Observação de uma das Madrinhas - M. L. - psicóloga linha de C. G. Jung que mora em São Paulo e apenas conheceu a Dra. Nise numa visita - ela nos disse com amor e solidariedade à Obra:
" Se todas/os profissionais que trabalham e de alguma forma conhecem a obra de Dra. Nise da Silveira dessem uma sessão/consulta por mês para ajudar a Casa das Palmeiras, não haveria nenhuma preocupação maior".

Observação de um psiquiatra - Dr. J. P. H. - pessoa que em muito ajuda a obra de Dra. Nise foi direto: " Se todos que passaram pela Casa das Palmeiras e se beneficiaram de alguma forma, dessem um mínimo de dinheiro por mês, para a manutenção da Casa, tudo funcionaria com tranquilidade"
Manter uma instituição com pessoas singulares, que sofrem das intensas emoções mentais é muito sacrifício
 para a  Diretoria, voluntários e estagiários que nada recebem. 
A Casa se mantem viva e ativa por grande Afeto
 aos clientes, usuários, que são a alma pulsante da Casa. 


 

Sinta-se honrado/a e feliz por ser Padrinho ou Madrinha
 da Casa das Palmeiras. 
Como contrapartida receberá uma reprodução trabalho feito nos ateliês
NOTA - este Blog é produção voluntária, amor aos Clientes da Casa // obra de Nise da Silveira.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

domingo, 3 de setembro de 2017

Grupo de Estudos C.G.Jung

 O Homem e seus Símbolos
Carl Gustav Jung - concepção e organização

  Local: Casa das Palmeiras
Às quartas-feiras de 15 em 15 dias /
 das 19h00 às 20h30

 6 e 20 de setembro
4 e 18 de outubro de 2017
   I - Chegando ao inconsciente – Carl G. Jung
       - A análise dos sonhos – dia 6 de setembro
       - O problema dos tipos – dia 20 de set. e 4 de outubro
          - O arquétipo no simbolismo do sonho 
- dia 18 de outubro

Rua Sorocaba, 800  -  Botafogo
Inf.: Tel. 2266-6465 (das 13h às 17h) / 2242-9341
O Grupo de Estudos C. G. Jung é gratuito
       Bem vindos os artistas, filósofos, psicólogos, pensadores livres, antropólogos, sociólogos e/ou qualquer pessoa que desejar ler, estudar e/ou conhecer, mais profundamente a obra de Carl G. Jung.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~  

terça-feira, 29 de agosto de 2017

NISE - O Coração da Loucura - Filme nas Palmeiras

Exibição do filme  
Nise - O Coração da Loucura 
Seguido de conversa informal com o diretor
 Roberto Berliner.
Entrada Franca.
**** 
Dia 2 Setembro - SÁBADO  às 16h30
Casa das Palmeiras.
Rua Sorocaba, 800 - Botafogo. 
Teremos DVD à venda

 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

sábado, 26 de agosto de 2017

Encontros na Casa das Palmeiras - Grupo de Poesia

                          Há mais de uma década o poeta Augusto Sérgio Bastos, voluntariamente, se faz presente à Casa das Palmeiras com sua presença tranquila e generosa em afeto e atenção plena para com os clientes na Atividade Poesia. Aqui postamos seu depoimento.  Ele melhor que ninguém para nos mostrar caminhos de encontros poéticos, sobre sua coordenação, sempre tão ricos para os participantes, assim como para o corpo cultural da instituição. Nossa eterna gratidão.
Os poetas - Augusto Sérgio e Afonso Henriques Neto.
- imagens do arquivo - 
Encontros na Casa das Palmeiras
Grupo de Poesia
       
         O grupo se reúne na quarta segunda-feira de cada mês. Além da presença dos clientes, contamos com a participação de estagiários e, eventualmente, de coordenadores de outras áreas e médicos da Casa.
         Em abril de 2004, participei, pela primeira vez, como coordenador do Grupo de Poesia, dando seguimento à atividade.
         A cada reunião, distribuímos algumas laudas digitadas, quase sempre contendo fotos e pequenas biografias dos poetas que vamos estudar, com alguns dos seus textos mais representativos. Tratamos de poetas clássicos assim como de modernos e de contemporâneos; cito alguns: Gonçalves Dias, Castro Alves, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Paulo Leminski, Ferreira Gullar, entre outros.
         O coordenador lê as biografias e faz comentários, incentivando a participação. As poesias são lidas por todos os presentes, que, em diálogo com o coordenador, fazem suas observações. Os clientes são motivados a dizer se gostaram ou não e por qual razão. Tentam responder à célebre e irrespondível pergunta: O que será que o poeta quis dizer?
         Chamamos a atenção para alguns tópicos, abordados de forma bem simples, objetivando o entendimento de todos: Rimas, Métrica, Ritmo, Formas fixas, entre outros.
          Ao final, é solicitado que cada participante escreva um poema. Depois, cada um lê o seu texto. Ao analisá-los, buscamos o envolvimento de todos, incentivando para que comentem o próprio trabalho e também o do outro.
        Com o objetivo de motivar o grupo, algumas vezes, convidamos um poeta para fazer palestra. Treze, de reconhecida qualidade, já estiveram conosco: Marcus Vinicius, Afonso Henriques Neto, Lou Viana, Eduardo Tornaghi, Suzana Vargas, Grupo Poesia Simplesmente (Laura Esteves, Silvio Ribeiro de Castro, Delayne Brasil e Ângela Carrocino), Lila Maia, Helena Ortiz, Geraldo Carneiro e Antonio Carlos Secchin – os dois últimos, atuais membros da Academia Brasileira de Letras.
        A Atividade, como um todo, visa fazer com que os clientes se expressem, se comuniquem, seja por escrito ou verbalmente.
        Nesses 13 anos de convivência, lidando com pessoas com maior ou menor dificuldade para se expressar, pude constatar que o cliente da Casa não difere muito das outras pessoas. Concentra-se na hora de escrever seus textos; alguns fazem ótimos poemas, outros produzem encantadoras mensagens em prosa e até, com certa frequência, desenhos bem elaborados, demonstrando grande sensibilidade.
        De modo geral, o cliente da Casa tem o olhar e o sentimento que o poeta precisa ter. Às vezes, traduzindo o ambiente que nos cerca, o exterior, e, num outro momento, mergulhando no seu mundo interior para se expressar singularmente.
        E é essa sensibilidade que faz com que ele se comporte, frente à Poesia, da mesma maneira que o poeta.


                                                                     Augusto Sérgio Bastos
                                                                              23/08/2017
 NOTA - um problema na configuração > não obedece comando - sai itálico sem querer
                                                                    
Acima - o acadêmico da ABL - Geraldo Carneiro, Grupo de Poesia.                                        
Abaixo a presença de outro acadêmico, Antônio Carlos Secchin.

momentos de leitura -
Poesia Viva sobre a mesa.
Suzana Vargas

 Lila Maia
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~